Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

As flores do meu quintal

Rego as flores do meu quintal
Como se a água fosse ar
nela misturo sangue venal
solto o pulmão nesse respirar

Desperto numa fusão de cheiros
num gesto de quem ama
as planto por esses canteiros
onde tudo o mais derrama

Dispostas ao acaso as flores
num intenso colorido de quadro
despontam de todas as cores
como sagradas em qualquer adro

Se falho na têmpera de jardineiro
com flores planto o irreal
liberto-as nesse cativeiro
que ainda é o menos artificial

Todas as flores têm direito
ao seu talhão de terra
fiz-lhes este poema a jeito
onde mão nenhuma as desenterra

As flores...
roubei-as em qualquer postal
só não sei que é feito
desse meu quintal...

Sinto-me:
Estou a ouvir: James Newton Howard - The Shed Not To Be Used

Autor: Nina Ferrer às 15:58
Link do post | Adicionar aos favoritos
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


I have a Dream


Perfil

Adicionar como amigo

. 12 seguidores

Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


links

posts recentes

Dias sem memória

As flores do meu quintal

Ser poeta

AÍ..

Tela inacabada

Palavras

Dispersões

arquivos

Junho 2007

Maio 2007

Maio 2006

Março 2006

tags

todas as tags

subscrever feeds